Entomologia recebe inscrições para mestrado e doutorado até segunda, dia 25

O Programa de Pós-Graduação em Entomologia recebe até a próxima segunda-feira, dia 25 de outubro, as inscrições dos interessados em vagas nos cursos de mestrado e de doutorado (processo seletivo 2022/1). Serão selecionados estudantes para ingresso no primeiro semestre letivo de 2022. 

O edital com todas as informações está disponível neste link. 

O número de estudantes aceitos dependerá da liberação de bolsas pelas agências de fomento (CAPES, CNPq e FAPEMIG). Vinte por cento das bolsas serão reservadas, de acordo com políticas afirmativas da UFV.

O prazo para inscrições termina precisamente às 23h59 do dia 25. A lista de inscrições confirmadas será publicada a partir de 29 de outubro. Só estarão aptos a participar do processo os candidatos que tiverem sua inscrição confirmada pelo Programa. 

A prova escrita está agendada para 05 de novembro. A divulgação do resultado final do Mestrado e da nota dos candidatos ao Doutorado está prevista para acontecer a partir de 12 de novembro. Depois disso, os classificados ao Doutorado passarão por uma arguição oral. O cronograma completo, bem como todas as informações sobre o perfil dos candidatos e as etapas de avaliação, estão disponíveis no edital.

A previsão é que as aulas tenham início em 07 de março de 2022.

Trabalho de Madelaine Venzon sobre controle de pragas do café é referência para mercado

As pesquisas coordenadas por Madelaine Venzon, orientadora do Programa de Pós-Graduação em Entomologia, são destaque na edição deste mês da revista Globo Rural. Na matéria “Barreiras naturais”, a publicação apresenta avanços da ciência brasileira para o controle de pragas que atacam os cafezais, com foco na diversificação de culturas que têm o potencial de aumentar a população dos inimigos naturais das pragas. 

Madelaine, que é coordenadora do Programa de Agroecologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), vem se dedicando ao longo dos últimos anos ao estudo de culturas que possam ser utilizadas como agentes de Controle Biológico Conservativo (CBC) em cafeeiros, notadamente no combate à broca-do-café e ao bicho-mineiro. A publicação apresenta a crescente importância destas pesquisas, especialmente diante dos desafios trazidos pelo aumento da temperatura global, com destaque para os sistemas agroflorestais, que associam a plantação de café com outras espécies, como o Ingá, o trigo-mourisco e a crotalária. 

Essas alternativas já chamam a atenção do mercado, que vê no trabalho da pesquisadora um importante aliado na transição para uma cafeicultura regenerativa. Em breve, a Nespresso deve iniciar uma parceria técnica com a Epamig, no intuito de utilizar esse conhecimento como apoio para seus fornecedores. A ideia é implementar projetos-piloto em fazendas do Cerrado Mineiro e construir indicadores sobre a viabilidade financeira e os benefícios do CBC nas práticas regenerativas. 

Além de orientar os estudantes do PPGEnt, Madelaine também faz parte da Comissão Coordenadora do Programa. Ela atua ainda como orientadora do Mestrado Profissional em Defesa Sanitária Vegetal e do curso de Pós-Graduação latu sensu em Proteção de Plantas, ambos da UFV. 

Foto: Rodrigo Carvalho Gonçalves

Pesquisa aplica inteligência artificial no combate à contaminação de abelhas

O uso de técnicas de inteligência artificial para predizer contaminação por agroquímicos em abelhas é apresentado este mês em artigo publicado pelo Journal of Hazardous Materials. O autor principal do texto é o pesquisador Rodrigo Cupertino Bernardes, que concluiu há pouco seu doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Entomologia, e realiza agora pesquisas de Pós-Doutorado. O artigo publicado na revista científica – “Toxicological assessment of agrochemicals on bees using machine learning tools”– é parte da tese de Rodrigo, que teve orientação do professor Gustavo Martins e coorientação da professora Maria Augusta Pereira Lima

“Tem-se falado muito sobre o declínio das abelhas, há uma preocupação crescente com relação a isso, principalmente nos EUA, pois a redução drástica das colônias afeta a produção agrícola, entre outros fatores”, explica Rodrigo. “Várias pesquisas vêm levantando hipóteses do porquê de elas estarem sumindo. Uma das principais causas que se tem levantado é o uso de agroquímicos, além das hipóteses de doenças. Neste contexto, nós estamos trabalhando a questão dos agroquímicos, avaliando o efeito deles nas abelhas. Eu venho me interessando pelas aplicações de inteligência artificial desde o mestrado, e achei que era hora de unir as duas coisas.”

O Ethoflow é capaz de indicar contaminação por meio de padrões de comportamento

Durante suas pesquisas de doutorado, Rodrigo desenvolveu o Ethoflow, software capaz de avaliar comportamento animal – neste caso, das abelhas – e, com base nestes indicadores, identificar a contaminação por diferentes tipos de agroquímicos. “As abelhas foram contaminadas com dois agroquímicos que são muito debatidos – o neonicotinóide imidaclopride e o glifosato. Em seguida, com o software, eu mensurei várias características comportamentais. Coloquei as abelhas em grupos, em arenas, fiz vídeos e depois analisei o comportamento delas no software. Desta forma, eu treinei os modelos de inteligência artificial, de modo que agora, a máquina é capaz de ler novos dados e identificar qual contaminação está presente naquele animal, com base no comportamento dele.” 

A expectativa de Rodrigo é que a tecnologia possa ser empregada para aumentar o conhecimento a respeito das ameaças às abelhas, dando mais alternativas e mais agilidade para ações de proteção às colônias. “Acredito que o monitoramento é o ponto chave. Possibilitar o monitoramento em campo (por exemplo, com colônias automatizadas e inteligência artificial) em tempo real é importante, porque podemos tomar decisões mais rápidas e mais assertivas, inclusive em termos de políticas públicas. Com esses dados, a gente consegue agir para evitar que toda a colônia se contamine, e também saber a causa da contaminação.”

O artigo que apresenta o software e sua aplicabilidade pode ser lido neste link. Além de Rodrigo, assinam o texto os professores Gustavo e Maria Augusta e os pesquisadores Lorena Botina, Fernanda Pereira da Silva e Kenner Morais Fernandes, vinculados à UFV durante o desenvolvimento da pesquisa.

Nove professores da Entomologia estão no ranking Top 10.000 Scientist da América Latina

O Programa de Pós-Graduação em Entomologia tem nove professores entre os citados no  ranking Top 10.000 Scientist da América Latina, produzido pelo AD Scientific Index. A lista inclui pesquisadores de 453 instituições latino-americanas e mostra o coeficiente de produtividade total e o dos últimos cinco anos dos cientistas com base no i10, no índice h e nas citações do Google Scholar. Seguindo estes critérios, estão listados os pesquisadores que ofereceram, no período citado, maior contribuição para a comunidade científica. 

Entre os 115 professores de destaque da Universidade Federal de Viçosa (UFV), nove estão atualmente ligados ao PPGEnt: Raul Guedes, José Cola Zanuncio, Marcelo Picanço, José Eduardo Serrão, Ângelo Pallini, Eugênio de Oliveira, Eliseu Pereira, Frederico Salles e Eraldo Lima. Além destes, a lista traz ainda o professor José Henrique Schoereder, recentemente aposentado, que também integrou o grupo de orientadores da Entomologia. “É altíssima a representatividade da Entomologia no ranking. Estamos colhendo os frutos da dedicação dos nossos docentes’, diz o coordenador do programa, Gustavo Martins

Clique aqui para conhecer a lista completa.  

A surpresa, na avaliação de Gustavo, está no fato de professores “novatos” já aparecerem no ranking. “A sucessão dos docentes precisa continuar com professores de alto nível na pesquisa. A inclusão de tantos professores no ranking também diz muito sobre a diversidade de temas que o programa tem, em várias áreas da Entomologia. Precisamos continuar a atrair alunos de alto nível, pois eles constituem a base do que é feito no programa. É um orgulho”, avalia Gustavo.

A UFV é a segunda universidade de Minas Gerais em número de cientistas destacados no Top 10.000, e a 13ª do Brasil. Este é, segundo o AD Scientific Index, o primeiro levantamento feito com base no i10 – que indica o número de publicações com no mínimo dez citações -, e no índice h, que representa a relação entre o número de publicações e o número de citações de um pesquisador.

Foto: Rodrigo Carvalho Gonçalves

Entomologia promove mesas redondas e mini curso no SIA 2021

Três mesas redondas e um mini-curso que fazem parte da programação do Simpósio de Integração Acadêmica (SIA) da UFV serão oferecidos por estudantes do Programa de Pós-Graduação em Entomologia. Este ano, mais uma vez, o evento será realizado online, entre os dias 05 e 07 de outubro. Desta vez, o tema central de discussões é “A transversalidade da ciência, tecnologia e inovações para o planeta“.

O Laboratório de Interações Inseto-microrganismo apresenta no dia 07, das 10h às 12h, o minicurso “Fungos no controle de Insetos – da Biologia à prática“, ministrado pelos pesquisadores Eduardo Costantin, Keminy Ribett e Elenir Queiroz. Todas as 25 vagas foram preenchidas poucas horas depois de abertas as inscrições. “Nossa expectativa é a melhor possível. O controle biológico é um tema relativamente pouco debatido entre os alunos da graduação, e certamente o curso será uma oportunidade muito boa também para a nossa formação profissional”, avalia Keminy. 

O Grupo de Estudos em Entomologia Insectum, que organiza três mesas redondas, foi convidado a integrar o SIA, este ano, depois da boa repercussão de sua participação na edição de 2020. “Nossa expectativa é altíssima, considerando que a experiência do ano passado foi excelente. Tivemos uma expressiva participação ao vivo e os vídeos, que ficam disponíveis depois em nosso canal, têm visualizações até hoje”, conta Jéssica Martins, coordenadora de divulgação do grupo. 

No primeiro dia de evento, a mesa tem como tema “Tecnologia no estudo da entomologia forense“, às 9h30. No dia 6, o assunto é “Tecnologia e novas ferramentas taxonômicas“, às 8h, e, no dia 7, às 18h, o tema em debate será “Tecnologia aliada à ecologia“. Os convidados são pesquisadores da UFV, da Unicamp e da Fiocruz. “Para nós, organizar essas mesas é uma ótima oportunidade de capacitação e aprendizado, além de uma chance fantástica de nos aproximar de especialistas que admiramos muito”, diz Jéssica.

A programação geral do SIA pode ser consultada neste link. As inscrições devem ser feitas até segunda-feira, dia 04.

Foto: Vipin Baliga