Estudante de Agronomia recebe premiação no Canadá

Conrado_pôster_Research Day

O estudante de Agronomia e estagiário no Laboratório de Ecotoxicologia da UFV, Conrado Augusto Rosi Denadai, foi premiado pela empresa Bio-Rad Laboratories, em reconhecimento pelo pôster que apresentou durante o Research Day, realizado pela Carleton University, em Ottawa (Canadá).

Conrado apresentou a pesquisa “Amphion floridensis and the Backthroat Boys: How are these caterpillars producing sound?”, que busca descobrir qual mecanismo de produção de som é utilizado por quatro espécies de lagarta. Uma das hipóteses estudadas é de que seja pela boca. O pôster apresentado por Conrado impressionou os avaliadores da Bio-Rad, umas das empresas patrocinadoras do Research Day.

O Research Day é um evento interno da Carleton University, a exemplo do SIA (Simpósio de Integração Acadêmica) promovido pela UFV. No Canadá, além da avaliação de professores e estudantes da pós-graduação, os trabalhos apresentados são submetidos à avaliação de olheiros de empresas privadas. Os melhores pôsteres recebem premiações da universidade e das empresas que patrocinam o evento.

Na edição deste ano, mais de 120 estudantes dos departamentos de Biologia, Bioquímica, Ciência dos Alimentos, Química e Ciências Integradas, apresentaram pôsteres no Research Day. Em meio a tantos trabalhos, Conrado foi surpreendido com a premiação e está muito satisfeito com a experiência que vivenciou no Canadá. “Acontece muita coisa boa. Se eu tivesse só conhecido gente nova, só apresentado o pôster ou só aprendido coisa nova, já seria bom. A premiação também foi algo muito bom junto com tudo isso” – afirma.

Conrado ficou um ano no Canadá, através do programa Ciência sem Fronteiras, fazendo estágio no Laboratório de Neuroetologia, na Carleton University, sob a orientação da professora Jayne Yack, especialista em Neuroetologia, Som e Vibração em Insetos.

Além de estagiar no laboratório coordenado pela professora Jayne Yack, Conrado cursou duas disciplinas ministradas por ela na Carleton University: Directed Special Studies e Honours Research Thesis. Esta última corresponde à disciplina do trabalho de conclusão de curso exigido pelas universidades brasileiras. O trabalho que Conrado apresentou no Research Day foi resultado das atividades desta disciplina.

Finalizada a disciplina, Conrado deu continuidade à pesquisa sobre o mecanismo de produção de som utilizado pelas lagartas e apresentou os resultados obtidos no 14th Invertebrate Sound and Vibration (ISV 2013), realizado em Glasgow, na Escócia, em julho deste ano. Neste evento, o trabalho apresentado por Conrado despertou o interesse de pesquisadores alemães, que o convidaram para fazer pós-graduação na Universidade de Bielefeld, na Alemanha.

Nova linha de pesquisa

Conrado foi para a Carleton University por incentivo do seu orientador aqui no Brasil, o professor Raul Narciso Guedes. Ele conta que foi para o Canadá com uma missão de muita responsabilidade: aprender sobre a área de Neuroetologia, Som e Vibração em Insetos, linha de pesquisa ausente no Brasil e ainda em desenvolvimento em países pioneiros, e que o professor Raul pretende implantar na UFV.

No início, Conrado afirma que estranhou a possibilidade de trabalhar com lagartas, numa linha de pesquisa tão diferente da que ele trabalhava no Laboratório de Ecotoxicologia da UFV até então. Mas, agora, após passar um ano em contato com especialistas, equipamentos e técnicas utilizadas, ele conta que não poderia ter vivido uma experiência melhor. Ele não apenas cumpriu a missão de aprender sobre essa nova área, como também está muito entusiasmado com o trabalho, se dedicando para aprender ainda mais.

No mês de agosto, Conrado chegou ao Brasil para aplicar os conhecimentos adquiridos e retomar o curso de Agronomia. Para ele, voltar a assistir aulas tem sido a parte mais difícil do seu retorno, pois, no Canadá, Conrado cursou disciplinas, mas elas eram voltadas para a pesquisa. “Lá, eu me sentia um pesquisador de verdade” – revela. Mas Conrado sabe da importância de concluir a graduação para se dedicar integralmente à pesquisa científica e, então, auxiliar o professor Raul na implantação dessa nova linha de pesquisa na UFV.

Perfil: Arne Janssen

Arne (2 of 1)

O professor da University of Amsterdam, Arne Janssen, foi recentemente credenciado como orientador do Programa de Pós-Graduação em Entomologia da UFV. Embora a sua admissão como orientador seja recente, Arne já participa das atividades do Programa há bastante tempo. Há mais de dez anos ele é pesquisador colaborador da UFV.

Nascido na Holanda, Arne possui mestrado em Ecology – Leiden University (1983) e doutorado em Ecology – University of Amsterdam (1994). Arne veio para Viçosa a convite do professor Angelo Pallini, em 2003, quando passou a compartilhar a sua atuação profissional entre os dois países. Desde então, Arne passa seis meses do ano no Brasil e outros seis meses na Holanda. Em outubro, ele embarcou para a Holanda, onde permanecerá até fevereiro de 2014.

Desde o seu início como colaborador no Brasil, Arne co-orientou diversos estudantes. Neste ano, ele está atuando como orientador. Arne tem experiência na área de Ecologia e trabalha principalmente com controle biológico, dinâmica populacional e comportamento. Na University of Amsterdam, ele integra um grupo de pesquisas do Instituto de Biodiversidade e Dinâmica de Ecossistemas.

Arne conta que a porta da sua sala, seja aqui ou na Holanda, encontra-se sempre aberta. “O que pode ser resolvido na hora, deve ser resolvido” – afirma, revelando um pouco sobre a sua filosofia de trabalho. Arne destaca que auxilia os estudantes a traçarem metodologias e que, principalmente, os ensina a fazer pesquisas de forma independente. Além da orientação, Arne tem se dedicado a escrever artigos para publicar em revistas internacionais.

O fato de se ausentar do país por um determinado período do ano não influencia o andamento dos trabalhos em curso. Arne trabalha com estudantes do doutorado e pós-doutores, “que são mais independentes”. Ele conta que utiliza bastante das tecnologias para se comunicar com os estudantes.

Não está nos seus planos se estabelecer definitivamente por aqui. Ainda que veja vantagens em trabalhar no Brasil, Arne considera ser muito positivo o contato que ele estabelece entre os dois países. Sem contar que a University of Amsterdam lhe dá muita liberdade. Lá, não se exige dedicação exclusiva como no Brasil.

Além da liberdade, Arne avalia que na Holanda existem laboratórios mais bem equipados do que aqui. Mas, se comparado com a Holanda, Arne considera como sendo muito boas as condições no Brasil. “Aqui é ótimo. O salário do professor é alto. O Brasil está investindo muito, está crescendo. Dá para ir ao campo o ano todo montar experimento. Na Holanda, durante o inverno, isso é impossível. E mesmo aqui, dentro do Campus, tem muitas possibilidades para se pesquisar” – afirma Arne, destacando os diferenciais, dentre eles, a biodiversidade que cerca o Campus da UFV.

Arne gosta do Brasil, já se acostumou. Mas como todo estrangeiro, no Brasil ou em qualquer outro país, ele enfrentou dificuldades no início. Quando chegou, Arne não falava nada em português. Ele conta que foi difícil, mas que a superação depende da pessoa. Arne acredita que a adaptação de uma pessoa a uma nova cultura depende muito dos contatos pessoais que ela estabelece.

Assim, não é o idioma ou o povo deste ou daquele lugar que vai determinar a adaptação de um estrangeiro a um país, mas os contatos que ele faz. Arne avalia que se ele não tivesse se identificado com o professor Angelo Pallini, seu primeiro contato aqui, possivelmente ele não teria aceitado o convite para vir ao Brasil e não estaria aqui até hoje como colaborador e, agora, como orientador.

Entomologia desenvolve pesquisas no Sultanato de Omã em parceria com a Vale

Pesquisa SQU_Omã_2

A Entomologia integra um importante projeto de internacionalização da ciência brasileira: a Cooperação Vale/UFV/Omã, que visa o combate de pragas na produção de manga e limão, produtos significativos para a economia omani. Atuando numa das frentes deste projeto, o estudante de doutorado em Entomologia, Renan Batista Queiroz, está desde maio deste ano, no Sultanato de Omã, país situado no Oriente Médio, desenvolvendo pesquisas visando à recomendação de manejo de doenças de limão galego (Citrus aurantifolia).

O doutorando descreve que nas últimas décadas, a produção de limão galego em Omã foi afetada gravemente por várias doenças, fazendo com que o país passasse de exportador de citrus a importador. A principal causa desse declínio na produção é a vassoura de bruxa do limoeiro (witches’ broom disease of lime, WBDL). A doença, causada por fitoplasma, foi detectada pela primeira vez em Omã, no ano de 1975, e tem se disseminado extensivamente pelo país. Para se ter ideia, em 1990, perdas de 50% da área cultivada de citrus foram associadas à WBDL. Hoje, estima-se que 98% das plantas de limão galego cultivadas em Omã estão infectadas com WBDL.

Renan afirma que no país, de maneira geral, inexistem estratégias efetivas para o controle de doenças de citrus. Assim, o doutorando permanecerá em Omã até março de 2014, acompanhando a flutuação populacional dos possíveis insetos vetores de WBDL em quatro áreas do país. Dentre os trabalhos em curso estão: análise molecular (PCR) com os insetos coletados em campo para confirmar a presença de fitoplasma e experimentos controlados em casa de vegetação para confirmar quais insetos são realmente capazes de transmitir o patógeno.

Próximo de completar seis meses de pesquisa em Omã, o doutorando fala sobre alguns resultados já obtidos. “Até o momento, já identificamos quatro espécies de insetos capazes de adquirir o fitoplasma. Estamos terminando os experimentos para confirmar a capacidade de transmissão. Também observamos que a pressão de inóculo pelos insetos é alta, uma vez que os insetos estão presentes em todas as regiões e durante todo o período em que avaliamos”.

Para desenvolver os trabalhos em Omã, a Entomologia conta com toda a infraestrutura da Sultan Qaboos University (SQU). As pesquisas são desenvolvidas no Laboratório de Fitopatologia, Departamento de “Crop Sciences”, da SQU, sob a orientação do professor Dr. Abdullah Al-Sadi, principal responsável por viabilizar o andamento dos trabalhos em Omã. Além da orientação do professor Dr. Abdullah Al-Sadi, Renan conta com o apoio do assistente de laboratório, Issa Hashil Said Al-Mahmooli. Renan destaca: “a SQU tem dado todo o suporte necessário para o desenvolvimento das pesquisas, tanto nos trabalhos de campo como no laboratório, que dispõe de excelente infraestrutura, possibilitando um bom trabalho em biologia molecular”.

O único fator que comprometeu um pouco o andamento dos trabalhos no início, especificamente a coleta de dados em campo, foi o calor. “No verão, a temperatura chega próximo dos 50 ºC. Mas, agora, está melhor, pois está começando o inverno e a temperatura está em torno de 35 ºC, facilitando a permanência no campo” – afirma o pesquisador.

A pesquisa da qual Renan faz parte é intitulada “Implementação e sustentabilidade do manejo de doenças de limão galego (Citrus aurantifolia) em Omã”. No Brasil, esta pesquisa é coordenada pelo professor da UFV, Simon Luke Elliot, e conta o trabalho do estudante de graduação, Gabriel Alves Vieira.

Esta pesquisa integra o projeto “Etiologia, tolerância e manejo de doenças de limão galego (Citrus aurantifolia) em Omã”, coordenado pela professora do Departamento de Fitopatologia, Claudine Carvalho. Este, juntamente com o projeto “Seca da mangueira, causada por Ceratocystis fimbriata sl, em Omã”, coordenado pelo professor do Departamento de Fitopatologia, Acelino Couto Alfenas, compõe a Cooperação Vale/UFV/Omã.

Cooperação Vale/UFV/Omã

A Cooperação Vale/UFV/Omã surgiu de uma parceria entre a UFV, a SQU e o Ministério de Agricultura de Omã. A parceria prevê o desenvolvimento de pesquisas até 2015, buscando soluções para controlar doenças das culturas de manga e de limão no país árabe. Ao longo dos quatro anos da sua vigência, a parceria contará com o total de R$ 8,5 milhões em investimentos feitos pela Vale, por meio do Instituto Tecnológico Vale (ITV). A empresa possui uma unidade pelotizadora em Omã.

A UFV foi escolhida pela Vale para firmar esta parceria por ser referência mundial em pesquisa agrícola. Durante visita à UFV, em dezembro de 2012, o gerente geral de Parcerias e Recursos do ITV, professor Sandoval Carneiro Júnior, informou: “Talvez este seja o maior convênio em termos de valor que temos, com financiamento direto da empresa. Isto demonstra que há um grande interesse neste projeto e na produção de seus bons resultados, tanto para o Brasil quanto para Omã”.

A Cooperação Vale/UFV/Omã tem como coordenador geral na UFV, o professor Acelino Couto Alfenas. A parceria, que vem sendo desenvolvida desde março de 2011, envolve ao todo, cerca de 40 pesquisadores, entre professores, estudantes de graduação e pós-graduação, e pós-doutores, dos departamentos de Entomologia, Fitopatologia, Fitotecnia e Solos.

Convidados ministram seminários sobre Entomologia e Bioengenharia na próxima quinta-feira

_DSC5149

Na próxima quinta-feira, dia 24, às 16h, no Bioagro, serão realizados seminários que contarão com a participação de dois visitantes: o neurobiologista da University of Southampton, Phillip Newland, e o professor da Faculdade de Engenharia Elétrica da USP, Carlos Dias Maciel.

O professor Phillip Newland vai ministrar o seminário “Understanding Neural Network Function”. Já o professor Carlos Dias Maciel falará sobre “Engenharia Bioinspirada”.

Pesquisadores da UFV participam de um dos principais eventos sobre Controle Biológico da América do Sul

Siconbiol

A 13ª edição do Simpósio de Controle Biológico (Siconbiol), promovido pela Sociedade Entomológica do Brasil, foi realizada em Bonito (MS), de 15 a 18 de setembro. O Siconbiol é um dos principais eventos da área na América do Sul, reunindo cientistas, pesquisadores, educadores, estudantes e outros profissionais que trabalham com Controle Biológico. Um grupo de pesquisadores da UFV, entre docentes e estudantes de mestrado e doutorado, participou da 13ª edição do evento.

A estudante do mestrado em Entomologia, Renata Ramos Pereira, foi uma das participantes do Siconbiol. Ela apresentou dois trabalhos desenvolvidos na UFV sob a orientação do professor Marcelo Coutinho Picanço: “Controle biológico natural de Tuta absoluta (Lepidoptera: Gelechiidae)” e “Seletividade de Orius tristicolor (Hemiptera: Anthocoridae) a inseticidas”.

No primeiro trabalho, “Controle biológico natural de Tuta absoluta (Lepidoptera: Gelechiidae)”, o objetivo foi avaliar os fatores de mortalidade natural de pupas de Tuta absoluta, tendo em vista que esse inseto é uma praga-chave na cultura do tomateiro, causadora de danos, principalmente broqueamento dos frutos.

Já o trabalho “Seletividade de Orius tristicolor (Hemiptera: Anthocoridae) a inseticidas” buscou determinar a toxicidade de quatro inseticidas registrados para a Tuta absoluta ao percevejo predador Orius tristicolor e também buscou investigar qual o mecanismo envolvido na seletividade.

Além dos trabalhos apresentados, os participantes do 13º Siconbiol acompanharam mesas redondas e palestras sobre diversos temas. Nesta edição, foram discutidos: parasitoides; predadores; ácaros; plantas inseticidas; Organismos Geneticamente Modificados (OGM); semioquímicos; agroecologia e biodiversidade; mudanças climáticas; entomopatógenos; saúde pública; e seletividade; com destaque para controle biológico em manejo integrado em florestas e nas culturas de milho, soja, cana e algodão.

O Siconbiol acontece a cada dois anos, alternando com a realização do Congresso Brasileiro de Entomologia. Em 2013, o Siconbiol foi realizado pela Embrapa Agropecuária Oeste e a Universidade Federal da Grande Dourados.