Estudante da UFV faz a melhor apresentação na sessão oral de Polinização do Congresso Brasileiro de Entomologia

Apresentação oral CBE 2014_Conrado Denadai

O estudante do curso de Agronomia da UFV, Conrado Augusto Rosi Denadai, foi premiado por ter feito a melhor apresentação da sessão oral de Polinização durante o XXV Congresso Brasileiro de Entomologia, realizado em Goiânia. Conrado apresentou o trabalho “Age- and environmentally mediated brain plasticity in the native bee Melipona quadrifasciata”.

Nesse trabalho foi verificado que abelhas nativas sem ferrão têm uma grande capacidade plástica cerebral. Em outras palavras, o cérebro dessas abelhas consegue se adaptar a ambientes com diferentes graus de complexidade. Segundo Conrado, “como consequência, conclui-se que essas abelhas conseguem aprender desde as tarefas mais simples a serem efetuadas dentro da colônia até executar tarefas mais complexas que exigem grande memória e assimilação de diferentes estímulos. Isso já tinha sido verificado em abelhas europeias do mel, mas a fauna nativa do Brasil permanecia desconhecida até então”.

Conrado destaca a importância de se conhecer o potencial neuronial e de aprendizado dessas abelhas, uma vez que “elas são importantes polinizadores de espécies nativas e de culturas agrícolas no Brasil. Além disso, elas compõem um bom modelo para se entender a plasticidade cerebral, importante mecanismo de aprendizado que acontece em invertebrados e vertebrados, inclusive em humanos”.

Esse foi o segundo trabalho premiado do estudante. Em 2013, Conrado conquistou uma premiação no Canadá, durante o Research Day, realizado pela Carleton University. Na ocasião, a Bio-Rad Laboratories, uma das empresas patrocinadoras do evento, concedeu a Conrado um prêmio pela apresentação do pôster “Amphion floridensis and the Backthroat Boys: How are these caterpillars producing sound?”.

Questionado sobre a sensação de ter dois trabalhos reconhecidos ainda na graduação, Conrado é enfático: “eu me esforcei bastante, não só durante a execução, mas também para montar apresentações que fossem atraentes para o público. Eu acho que se alguém dedica tempo e atenção a um trabalho meu, eu tenho que fazer o possível para compensá-lo com conhecimento e animação. No entanto, o momento da apresentação é só a ponta do iceberg, que aparece para quem assiste. Por trás de cada projeto tem uma equipe de vários pesquisadores contribuindo com ideias e trabalho. O reconhecimento na forma de premiação é ótimo, mas o êxito foi de todos”.

Sobre o trabalho premiado durante o XXV Congresso Brasileiro de Entomologia, Conrado ressalta a participação dos colegas do Laboratório de Ecotoxicologia, Hudson Ventura Tomé, Wagner Faria Barbosa e Rodrigo Cupertino: “Eles tiveram participação plena”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>