Projeto sobre estresses em abelhas sem ferrão fortalece parceria com a University of Southampton

Sebastian Shepherd da University of Southampton_07

A Entomologia recebeu recentemente a visita do estudante de doutorado da University of Southampton Sebastian Shepherd. Ele passou duas semanas na UFV, avaliando o efeito de agentes estressores sobre a fisiologia de abelhas sem ferrão, no âmbito do projeto “The Combined Effects of Multiple Stressors on Neotropical Bees”, desenvolvido em colaboração entre pesquisadores da UFV e da University of Southampton.

“Esta é a minha primeira visita acadêmica de nível internacional. Colaborações internacionais representam grandes avanços na pesquisa científica e, certamente, esta experiência de imersão em outra cultura, em outro idioma, fazendo pesquisas e aprendendo novas técnicas com pessoas fantásticas de dentro e de fora do Departamento de Entomologia da UFV, contribuirá e muito para minha carreira profissional. Eu aproveitei para fazer excelentes contatos profissionais e as experiências e técnicas que aprendi agora, certamente, farão de mim um cientista ainda melhor” – avalia o estudante que em breve concluirá o seu doutorado.

Além de conduzir estudos sobre os efeitos de pesticidas nas respostas imunes de abelhas neotropicais, o doutorando britânico visitou alguns locais na região de Viçosa e deixou evidente a sua satisfação em conhecer o Brasil: “As pessoas são receptivas e o país é maravilhoso” – resume.

Sebastian Shepherd da University of Southampton_04Durante a sua estadia na UFV, Sebastian ainda ministrou o seminário “Effects of eletromagnetic fields in insects”, no dia 14 de junho: “Existem evidências muito bem descritas na literatura sobre os efeitos biológicos exercidos pelos campos eletromagnéticos. Além disso, os campos eletromagnéticos decorrentes de ações antropomórficas têm se intensificado no último século. Insetos são particularmente susceptíveis a campos elétricos e eletromagnéticos, sendo por isso imperativo que entendamos como esses agentes estressores impactam insetos benéficos como polinizadores. Outra vertente dos nossos estudos é como podemos utilizar esses conhecimentos, por exemplo, para o controle de pragas ou mesmo usar insetos como organismos modelos para melhor entendermos os efeitos de campos eletromagnéticos em seres humanos”.

O projeto

O projeto “The Combined Effects of Multiple Stressors on Neotropical Bees” tem como principal objetivo “avaliar como diferentes fatores causadores de estresse, estudados de forma isolada ou em conjunto, podem alterar o comportamento, fisiologia, saúde e cognição das abelhas. Para isso, abelhas foram expostas a campos eletromagnéticos e a inseticidas, e avaliamos os efeitos dessa exposição sobre, por exemplo, a capacidade de voo desses insetos. Abelhas sem ferrão é um grupo exclusivamente tropical e tem grande importância na polinização de plantas nativas e cultivadas. O Brasil é o país com a maior biodiversidade de abelhas sem ferrão e é um dos maiores consumidores de pesticidas no mundo” – descreve a professora Maria Augusta Lima, do Departamento de Biologia Animal da UFV, que integra a equipe do projeto.DSCN0099

DSCN0147Coordenado pelo professor Eugenio Eduardo de Oliveira, o projeto também conta com a participação do professor da UFV Weyder Santana e dos professores da University of Southampton Phill Newland e Chris Jackson. Ambos os pesquisadores já estiveram no Brasil para atividades do projeto, bem como a professora Maria Augusta esteve no ano passado, no Reino Unido, para dar continuidade às pesquisas.

A professora da UFV esteve em Southampton no período de 07 a 21 de julho de 2016 e avalia: “Foi uma visita bastante produtiva, pois tive treinamento sobre o uso de técnicas para avaliar os efeitos de campos eletromagnéticos (EMF, electromagnetic fields) às abelhas. Na ocasião, também desenvolvi pesquisas com o estudante Sebastian Shepherd, sob a orientação dos professores Chris Jackson e Phill Newland. Avaliamos os efeitos da exposição a inseticidas e a campos eletromagnéticos sobre o voo de abelhas melíferas. Finalmente, discutimos sobre os resultados obtidos durante a minha estadia em Southampton. Planejamos também experimentos para serem realizados em Viçosa e sobre como dar continuidade a essa parceria, bastante profícua por sinal, entre a University of Southampton e a UFV. Talvez nem todos saibam, mas um dos nossos mais recentes reitores, o professor Evaldo Ferreira Vilela, fez o seu doutoramento na Universidade de Southampton. Isso significa que esta parceria tem tudo para continuar dando certo”.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>